fbpx

Controle de visitantes no condomínio: dicas para não errar

Um dos principais problemas de qualquer condomínio residencial é criar e manter de forma eficaz um bom sistema de controle de visitantes.

Ainda mais com o aumento da criminalidade, qualquer descuido é suficiente para que roubos e furtos aconteçam, mesmo durante o dia.

Aqueles antigos sistemas em que a pessoa tinha livre acesso ao porteiro – e bastava informar com quem iria falar – são cada vez mais raros.

A tecnologia surge, facilita a identificação e até o controle de por onde o visitante vai circular pelo condomínio, mas é preciso saber usá-la e ficar sempre alerta a possíveis falhas.

Neste artigo, você vai ver algumas das principais dicas para não errar na hora de manter de forma eficaz o controle de visitantes no condomínio.

 

controle de visitantes

Por que fazer o controle de visitantes?

Imagine se o condomínio deixasse qualquer pessoa entrar e sair como bem entendesse? Seria um caos, não é mesmo?

A premissa básica de um controle de visitantes é a de se estabelecer padrões para que todos os que entrarem e saírem sejam identificados e se saiba qual morador foram visitar.

Ainda mais em condomínios grandes, ter a correta identificação de quem é morador ou está ali como visitante ou prestador de serviços, ajuda na organização e a espantar os mal intencionados, o que contribui para a segurança de todos.

 

O processo de identificação

Basicamente, em todo o tipo de portaria o visitante tem que se identificar para entrar. A questão é como ocorre esta identificação.

O síndico e o conselho de segurança precisam estabelecer um processo, que nada mais é do que um roteiro com passos e critérios a serem seguidos. Uma sugestão:

  • Pode variar de condomínio para condomínio, mas o ideal é que não haja acesso direto ao porteiro. Pelo interfone, se faz uma identificação preliminar, com perguntas do nome, de quem está indo visitar e o número do apartamento.
  • Depois que o porteiro confirmar com o morador, o visitante deve entrar em um sistema de clausura, onde ele passa por um primeiro portão e fica “preso” até que se termine a identificação fornecendo dados do RG ou da carteira de habilitação.
  • A partir daí, o porteiro libera o segundo portão e informa o caminho a ser percorrido até o apartamento.
  • Caso haja novas portas fechadas para acesso ao bloco, o próprio porteiro pode liberá-las.

 

Padrões de reação para imprevistos no controle de visitantes

O visitante se identifica e o morador está em casa para recebê-lo. Ótimo.

Mas e quando este ritual foge do habitual, como resolver?

O síndico e o conselho de segurança do condomínio devem ter estabelecidas várias respostas para possíveis situações, como essas:

  • O visitante não estar com documento de identificação;
  • O visitante não souber informar o número do apartamento que deseja visitar;
  • O visitante estar com um amigo o qual o morador não conhece, por mais que conheça o visitante;
  • O visitante insistir em entrar mesmo que o morador não esteja;
  • O morador indicado pelo visitante não estar e as demais pessoas no apartamento não conhecerem o visitante.

Em geral, a regra básica deve ser a de que, na dúvida, é melhor não deixar o visitante entrar até que haja total certeza de que ele realmente conhece o morador e vice-versa.

 

Foco para evitar a falha humana

Em todas as estatísticas de roubos e assaltos a condomínios, quase sempre há o indício de que houve falha humana na segurança.

Todos os funcionários, principalmente os porteiros, devem estar totalmente cientes das medidas de segurança adotadas pelo condomínio para o efetivo controle de visitantes.

É importante também treinar eventuais porteiros substitutos ou novatos, mesmo que fiquem por poucos dias.

É indispensável que eles tenham a consciência de não abrir exceções, em hipótese alguma.

Se é o próprio morador que está chegando e o porteiro novato não o conhece, por exemplo, ele deve pedir ajuda para os funcionários mais antigos até que se tenha a certeza da identificação do morador.

 

Importância da conscientização dos próprios moradores

Não raro, as falhas na segurança acontecem também por culpa do próprio morador.

Por algum tipo de soberba ou por impaciência, muitos querem “burlar” todos os passos para que o visitante, seja amigo ou parente, seja identificado corretamente.

Desta forma, pressionam porteiros e outros funcionários para afrouxarem as medidas protetivas.

Em assembleia e nas reuniões normais de condomínio, o síndico deve sempre alertar a todos sobre os cuidados necessários e até mostrar casos de problemas em outros condomínios por conta das falhas dos moradores.

 

Aproveitar a tecnologia disponível

Hoje em dia há um verdadeiro arsenal de equipamentos e ferramentas disponíveis para ajudar no eficaz controle de visitantes no condomínio.

Câmeras de vigilância, portaria remota e controle de acesso biométrico, por exemplo, são cruciais para a perfeita identificação dos visitantes e o monitoramento da movimentação deles pelo condomínio.

O controle de acesso biométrico permite com mais eficácia a identificação do visitante e dos horários em que entrou e saiu, bem como o bloqueio de acesso a áreas não autorizadas, como sala de jogos, piscina e academia.

 

Não se esquecer do acesso à garagem

Quando o condomínio tem disponibilidade de vagas para os carros dos visitantes, o controle também deve ser rigoroso.

Deve ser seguido todo o ritual de identificação da pessoa e também do veículo, com placa, modelo, cor e o número da casa ou apartamento que está indo visitar.

Caso o visitante vá ficar em uma das vagas do próprio morador, é preciso que o controle de acesso seja organizado a ponto de saber se naquele momento realmente há alguma vaga do morador disponível, para evitar que o visitante acabe colocando o seu carro na vaga de outra pessoa.

Se o visitante estiver junto com o morador na hora de entrar pela garagem, o ideal é que também haja a identificação.

Assim, em caso de qualquer problema nas dependências do condomínio, se saberá exatamente quais pessoas estavam presentes.

 

Gostou das dicas? Fique à vontade para comentar e dar sugestões para um perfeito controle de visitantes no condomínio.

Controle de visitantes no condomínio: dicas para não errar

Deixe um comentário