fbpx

9 erros ao contratar controle de acesso para o condomínio

O condomínio no qual você é síndico tem passado por problemas de segurança ou, mesmo que ainda não tenha tido ocorrências, já está atuando preventivamente e quer melhorar o sistema de controle de acesso.

Você, como síndico, se encarrega de buscar uma solução no mercado, porém, com tantas opções e custos diferentes, fica em dúvida sobre qual solução escolher para não errar.

Mas não precisa se desesperar. Dúvidas nesta hora são comuns. O importante é estar munido de informações para escolher a melhor solução possível dentro das características do condomínio.

O que tem que pesar sempre é a eficácia do sistemas e a segurança dos moradores.

Por isso, para que você possa ser mais confiante e consiga convencer os moradores do seu condomínio sobre a importância de investir em um sistema de controle de acesso moderno e eficaz, trazemos neste artigo os 9 erros que o síndico deve evitar ao contratar sistema de controle de acesso para o condomínio.

Confira!

controle de acesso para o condomínio

1 – Ir pelo menor preço

Você sabe que o barato pode sair caro.

Então, opte por um produto que tenha como prioridade a qualidade no atendimento às necessidades do condomínio em termos de segurança.

Focar apenas no preço pode ser o caminho mais curto para a contratação de um sistema com qualidade duvidosa, que pode resultar em falhas e, consequentemente, deixar os moradores desprotegidos.

Soluções modernas e eficazes em controle de acesso possuem valor agregado, pois contam com alta tecnologia empregada e com componentes de altíssima qualidade.

Logo, se a solução ofertada for mais barata do que o preço médio de mercado, desconfie.

É preciso muita personalidade e confiança do síndico para fazer os moradores entenderem que um investimento em sistema de controle de acesso que funcione é, na verdade, investimento em segurança e na vida de cada um.

A grande questão é saber se vale a pena economizar em relação a isso?

 

2 – Não checar se o fornecedor é confiável

É preciso escolher a empresa responsável com bastante cuidado, pois um projeto mal executado pode acabar resultando em vulnerabilidades que colocam em risco todo o condomínio.

Cheque a reputação da empresa no mercado, avalie sites como o Reclame Aqui, veja seu histórico de atuação, os mercados atendidos, a capacidade de solucionar eventuais problemas, cases de sucesso etc.

Peça referências para outros condomínios e converse com outros síndicos. Não pode ficar nenhum tipo de dúvida quanto à idoneidade e à qualidade.

Em geral, empresas confiáveis são atenciosas e prestativas no repasse de informações e fazem questão de tirar todas as dúvidas dos clientes.

 

Leia também

5 problemas que o síndico pode evitar no condomínio com controle de acesso

Como evitar constrangimentos com moradores ao instalar controle de acesso rígido

 

3 – Não se informar se a solução pretendida é realmente segura

Access - Alarm zones

É preciso avaliar as reais necessidades do condomínio e buscar por um sistema que se enquadre especificamente a estas necessidades.

Avalie se é preciso registro com horário de entrada e saída de moradores e visitantes, liberação ou interdição de portas específicas, se o melhor é acesso biométrico ou por cartão, se funciona sem energia elétrica, se é necessário relatório etc.

Para cada demanda, há produtos e soluções diferentes. O ideal é customizar uma solução que atenda ao tamanho do condomínio e ao perfil de uso, claro, com custo/benefício atrativo.

Cheque se a empresa fornecedora do sistema de controle de acesso oferece garantia do seu produto. Caso positivo, analise suas condições e vigências.

4 – Não testar na prática a funcionalidade do sistema de controle de acesso para o condomínio

O fornecedor deve permitir uma análise prévia do sistema de controle de acesso para que o síndico possa testar sua funcionalidade na prática. Assim, facilita ao síndico se assegurar de que está fazendo uma boa contratação e evita possíveis transtornos futuros.

Peça demonstração, avalie todos os recursos e funcionalidades, questione capacidade de proteção, eventuais falhas, tire todas as dúvidas e só contrate a solução depois de ter total conhecimento sobre tudo o que ela oferece em termos de segurança.

 

 

5- Não avaliar se a solução atende a portaria e a todos os acessos internos

 Muitos síndicos falham na escolha do sistema de controle de acesso porque priorizam apenas a portaria.

Um eficiente sistema de controle de acesso para o condomínio deve atender as dependências da portaria e todas as áreas internas (academia, sauna, biblioteca, sala de jogos, piscina etc.)

Assim, evita-se problemas com visitantes e prestadores de serviços – não autorizados – frequentando as áreas comuns.

Além disso, em caso de alguma ocorrência de furtos, roubos ou qualquer outro problema do gênero, o controle de acesso eficaz a todas as áreas do condomínio facilita a identificação das pessoas.

 

 

 

6 – Escolher modelos de sistema de controle que não têm atualização

Criminosos sempre buscam meios de driblar os sistemas de segurança ou identificar as falhas que permitam a prática criminosa.

Sendo assim, o síndico deve contratar um sistema de controle de acesso para o condomínio cuja empresa responsável também ofereça atualização para este sistema a fim de melhorá-lo e promover a adequada proteção individual e coletiva aos moradores.

Analise as opções do mercado levando em conta as facilidades de troca ou atualização do sistema de controle de acesso e os possíveis custos para isso.

 

7 -Não avaliar os eventuais problemas de manutenção e seus custos

Checar sobre os possíveis problemas de manutenção bem como os gastos referentes a estes é primordial ao contratar um controle de acesso condominial.

É preciso observar se a empresa fabricante e fornecedora têm disponíveis peças para reposição, domínio delas e real conhecimento do produto vendido, e também se oferecem suporte eficiente e rápido em casos de necessidade.

Para isso, é imprescindível pedir referências de locais onde o sistema de controle de acesso igual ao que você pretende comprar tenha sido instalado. Aí basta conversar com os responsáveis para saber se há problemas.

 

8- Pensar que instalar algumas câmeras nos muros já é o bastante

Embora a instalação de câmeras seja um recurso tecnológico eficiente, não é o bastante para garantir a segurança do condomínio.

E como saber que somente pessoas autorizadas estão entrando no condomínio? Como coletar os dados delas? Como obter o relatório de presença por período e outros? Como controlar o acesso nas áreas internas?

 

 

9 – Não oferecer o correto treinamento aos funcionários

Oferecer treinamento e passar orientações completas a todos os moradores e demais envolvidos sobre o controle de acesso para o condomínio instalado e melhorias implantadas, é fundamental para garantir que todo o este sistema funcione de maneira adequada.

Se os funcionários não entendem exatamente os mecanismos e processos dos equipamentos para proteger a todos, a segurança pode falhar. E não basta apenas passar as informações, é preciso se certificar de que todos entenderam a mensagem.

Se for preciso, faça testes, utilize o chamado “cliente oculto”, ou seja, pessoas instruídas pelo síndico ou responsável pela segurança no condomínio para, propositalmente, testar se o controle de acesso está sendo feito de forma eficaz.

Se você tem mais alguma dúvida sobre este assunto, deixe seu comentário que ficaremos felizes em ajudar.

 

 

9 erros ao contratar controle de acesso para o condomínio

Deixe um comentário