fbpx

Síndico profissional ou síndico morador: qual é o melhor?

Se você mora em condomínio, pode ser que já tenha se deparado com essa situação: há convocação de uma assembleia para eleição de um novo síndico. Nenhum morador quer assumir o cargo. A reunião se transforma em um jogo de empurra-empurra até alguém se perguntar: “síndico profissional ou síndico morador: o que é melhor para o nosso prédio”?

Acompanhe o artigo para descobrir a resposta.

 

sindico profissional

Papel do síndico

Antes mesmo de responder a pergunta, é preciso compreender qual é a função do síndico no condomínio.

Essa pessoa é responsável por gerenciar todas as questões ligadas ao empreendimento – do pagamento das contas à segurança e controle de acesso nas áreas comuns.

O síndico atua no gerenciamento dos funcionários e terceirizados e na resolução de conflitos de interesse entre moradores.

Ele deve ser eleito em assembleia condominial, por maioria absoluta de votos. Trata-se de um processo democrático, que, em geral, estabelece um mandato de um ano.

Eleger um representante para tomar a frente das decisões e atividades do prédio é fundamental para garantir que todos cumpram as normas.

Quando não há uma liderança escolhida pelos moradores, há risco de caos no que se refere à convivência no condomínio.

Cabe aos moradores escolher se desejam votar em um síndico morador ou profissional e fiscalizar o trabalho dele.

 

Síndico morador

Geralmente, a primeira escolha dos condôminos é eleger um síndico morador. Principalmente quando se trata de condomínios pequenos e com poucos habitantes.

Descubra as vantagens e desvantagens desse tipo de síndico.

Vantagens

  • O custo do síndico morador é mais baixo – na maior parte das vezes, há apenas abatimento do valor do condomínio referente a gastos comuns;
  • O morador é a melhor pessoa para compreender as reais necessidades do condomínio;
  • Há possibilidade de encontrar uma pessoa com talento para gestão entre todos os condôminos;
  • Em caso de emergência, há maior prontidão no atendimento aos demais moradores.

 

Desvantagens

  • Nem sempre há pessoas dispostas a assumir o cargo. A indisposição dos habitantes em relação a isso acaba criando um clima de constrangimento nas assembleias gerais;
  • Às vezes, o morador eleito não tem conhecimento suficiente de gestão de condomínios para assumir o cargo. Administrar um condomínio requer domínio técnico de inúmeros assuntos, tais como contabilidade e gestão de pessoas;
  • A falta de preparo do síndico morador pode expor os demais condôminos a diversos riscos, tais como passivos trabalhistas e multas;
  • A gestão interna, geralmente, é menos transparente que a profissional, expondo a vulnerabilidade financeira do condomínio;
  • Em alguns casos, a mesma pessoa continua no cargo durante anos por falta de interesse dos outros moradores, o que pode prejudicar a gestão condominial já que não há oxigenação na forma de administrar.

 

Síndico profissional

Contratar um síndico profissional é uma alternativa em condomínio no qual há grande demanda de serviço ou até mesmo que busca uma gestão mais técnica.

O síndico profissional tem formação variada, porém, é comum que ele seja graduado em Administração. Atua como autônomo, prestando serviço a diversos condomínios simultaneamente.

O papel deste trabalhador está previsto em lei desde 1964 (Lei 4.591/1964), mas vem ganhando mais destaque no mercado de trabalho na última década.

Conheça os benefícios e as desvantagens da sua contratação.

 

Vantagens

  • Maior conhecimento específico para atuação da área;
  • Disponibilidade para gerir diversas demandas simultaneamente, em condomínios grandes;
  • Maior tempo de dedicação diária, já que se trata de um emprego;
  • Aplicação de metodologias mais eficientes de trabalho;
  • Maior imparcialidade na resolução de conflitos entre moradores;
  • Mais facilidade em destituí-lo, caso seja necessário;
  • Costumam ser mais rigorosos no cumprimento das normas do regimento interno;
  • Os próprios moradores se sentem mais à vontade caso haja necessidade de cobrar alguma informação ou posição.

 

Desvantagens

  • Como se trata de um prestador de serviço contratado, o custo tende a ser maior do que de um síndico morador;
  • Normalmente, o síndico profissional é responsável pela gestão simultânea de vários condomínios, o que pode fazer com que o tempo de resposta dele aos problemas emergenciais seja maior.

 

E as administradoras?

Independentemente do tipo de síndico, é importante ressaltar que a eleição não elimina a necessidade de contratação de uma administradora, principalmente, em condomínios maiores.

A administradora tem como função assumir as tarefas administrativas previstas em contrato, tais como:

  • Convocar e organizar as assembleias gerais;
  • Gerir convênios;
  • Fazer controles contábeis;
  • Pagar as despesas mensalmente;
  • Cumprir as normas legais no que diz respeito, por exemplo, à questões trabalhistas e de segurança contra incêndio.

 

Paralelamente, o síndico deve fiscalizá-la e ser responsável por responder civilmente aos danos causados ao condomínio durante a sua gestão.

Isso significa que se ele não respeitar a legislação e a convenção do condomínio poderá responder a processo em um foro eleito ou na Vara Cível. Principalmente, se as suas atitudes causarem danos aos condôminos ou a terceiros.

 

Então, o que é melhor para o meu condomínio?

Tendo em vista todos os aspectos positivos e negativos de eleger um síndico morador ou um síndico profissional, pode-se concluir que a escolha de um dos dois deve se basear no perfil do condomínio.

Ambos são passíveis de fazer uma boa gestão e até mesmo de errar.

Portanto, não basta apenas participar da eleição do profissional e da escolha da administradora.

A gestão de um empreendimento deve ser acompanhada de perto pelos demais moradores. Afinal, o condomínio deve ser visto como um bem comum.

Síndico profissional ou síndico morador: qual é o melhor?

Deixe uma resposta